9.14.2006

era uma vez

Lars Lhring


embalam-nos com fadas e meiguice, contam-nos histórias que começam sempre por era uma vez e na manhã seguinte ou passados vinte anos, que importa, é subitamente, recebemos bofetadas de atrocidades, tareias de um realismo insuportável. falo-te desse momento em que acontece a despedida da infância. a guerra passa a existir. o conforto é sobretudo alívio. sinceridade e provocação vivem dentro de nós paredes meias. avançamos a pulso. fracturamos o corpo, corpos. medimos o pulso quando deixamos de nos sentir. não ardemos, secamos. e ao amor e à arte chamamos milagre.

7 Comments:

Blogger -pirata-vermelho- said...

Que vous êtes bienvenue...


on aime ceux qui pensent encore!

5:00 da tarde  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Olá Lilly...A tua escrita continua com a mesma beleza de sempre. Agor com uma pontinha de dor...

CSD

6:56 da tarde  
Blogger Lilly Rose said...

Lilly, ser pensante ou sofredor? decidam-se :))

um abraço aos dois

3:20 da manhã  
Blogger ikivuku said...

A infância é a suave bonança antes das bela tempestade.

8:59 da manhã  
Blogger jp said...

Secamos? Como diz o Artur Torrado ;-)temos é ataques temporários de lógica aguda. E olha que não é menopausico,garanto.
bj

11:16 da tarde  
Blogger Elipse said...

era uma vez uma menina que cresceu e provocou e confrontou e fracturou. E eu sempre a repetir "era uma vez"...
agora que chegou a hora da partida e que ela já voa, sabes como me sinto?
Foi essa tareia de realismo e o quarto vazio...

Este teu texto seca a boca...

12:39 da manhã  
Blogger Silvia Chueire said...

Foi bom sabê-la de volta. Bom lê-la novamente.

Um abraço,
Silvia

3:14 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home